Saiba o que é chorume e como evitar que ele seja um problema

Líquido é tóxico, mas pode ser benéfico caso seja proveniente apenas de material orgânico

Chorume no Aterro Sanitário de Bauru. Líquido escorre até tanques para não contaminar o solo, protegido por lonas (Foto: Marcos Cardinalli)
Contaminação dos rios e lenções freáticos, mal cheiro e atrativo para animais vetores de doenças: o impacto do chorume no meio ambiente é alto, perigoso e pode ser maior do que nós podemos pensar.

“O chorume liberado de aterros sanitários ou lixões tem uma carga poluidora aproximadamente 30 vezes mais potente que a carga do esgoto sanitário”, alerta Guilherme Franceschini, professor e aluno de doutorado em Agronomia pela Unesp de Botucatu.

O chorume (também conhecido como líquido percolado) é o líquido escuro, mal cheiroso e altamente tóxico proveniente da decomposição de resíduos orgânicos, geralmente produzido em aterros sanitários ou lixões municipais.

Se não for coletado e tratado, esse líquido traz graves problemas para o meio ambiente. Segundo o professor Guilherme, o que torna o chorume altamente tóxico é o contato do líquido com resíduos como pilhas, baterias, remédios, latas com solventes e outros materiais que não deveriam ser destinados aos aterros sanitários.

Chorume drenado (Foto: Patsy Wooters/Flickr)
Além disso, as substâncias tóxicas liberadas pelo chorume são muito prejudiciais à vida aquática dos rios, causando o fenômeno ecológico chamado eutrofização. “A liberação de nitrogênio e do fósforo nos rios pelo chorume alimenta as algas, gerando uma proliferação muito rápida delas. Assim, há uma demanda maior pelo consumo de oxigênio dissolvido no rio, e isso causa a morte de peixe e outros pequenos animais aquáticos”, explica o professor Guilherme.

A eutrofização dos rios é um dos principais riscos do chorume (Foto: Centre Presse)

O chorume em Bauru

Marcelo Makino, engenheiro do departamento de Limpeza Pública de Bauru, conta que o aterro da cidade vem produzindo aproximadamente uma média que varia de 30 a 40 mil litros por dia em períodos de estiagem e até 60 mil litros por dia em períodos de chuva.

Tanque de chorume no Aterro Sanitário bauruense (Foto: Marcos Cardinalli)
Porém, Marcelo salienta que esse volume de chorume é coletado por uma rede de drenagem e destinada à estação de tratamento de efluentes em outras cidades.

O preço do metro cúbico da destinação do chorume em Bauru passou por polêmica política em 2016. A Emdurb realizou uma nova licitação que baixou o preço do serviço de R$214 para R$140 por m³, conforme informou o Jornal da Cidade.

Soluções com o “chorume do bem”

De acordo com Guilherme, não é possível reaproveitar o chorume proveniente dos aterros. “Devido a presença de metais pesados e substâncias tóxicas, não é possível utilizar o chorume, pois ele iria poluir o solo e, posteriormente, as águas.”

A Gerente Ambiental de Resíduos Especiais e Aterro Sanitário da Emdurb, Alessandra Pinezi, explica que estão em andamento na CETESB cinco tecnologias para tratamento de chorume "in loco", a fim de que se possa certificar a eficiência e viabilidade dos processos que futuramente possam ser instalados no local: "Quando for viável a utilização dessas novas tecnologias no local será possível reutilizar a água proveniente do processo, dependendo do índice de pureza resultante de cada procedimento", conta a gerente.

Porém, há uma espécie de chorume com impactos positivos para o meio ambiente. Esse chorume é conhecido como o “chorume do bem” e é obtido através da compostagem do lixo orgânico. “A compostagem é absorção de matéria orgânica pela terra e pode ser considerada um processo de reciclagem de lixo orgânico”, comenta o designer de produto Vinícius Pereira de Oliveira que, em seu trabalho de conclusão de curso, desenvolveu um sistema de plantio e compostagem.

O sistema de Vinícius suporta até 6 kg de matéria orgânica. (Foto: Arquivo pessoal)
A compostagem de alimentos orgânicos pode diminuir o volume do chorume nos aterros, além de produzir biofertilizante (fertilizante natural). “Se o chorume for resultado apenas da decomposição da matéria orgânica ele é um biofertilizante que, diluído em água, pode servir de adubo para o solo”, explica Franceschini.

Aprenda a fazer uma composteira na sua casa! Assista ao vídeo do canal Consumo com Atitude:


Gostou do assunto? Não pare por aqui! Tem mais: 

Precisamos falar sobre lixo - os problemas do aterro e do lixo em Bauru

Jogue lixo no lixo - mas que lixo? A falta de lixeiras públicas na cidade

Onde os bauruenses podem levar o lixo que não é o comum?

Quer ler sobre algo diferente? Que tal...

Uma resenha de um documentário?

Aprender mais sobre veganismo?

Entender o papel do Brasil na COP 21?



Comente com o Facebook: