7 maneiras de ser ecológico até depois de morto


Conheça novas alternativas sustentáveis de ir dessa para uma melhor


(Foto: Marcos Cardinalli/Impacto Ambiental)

Você mantém uma ótima relação com o meio ambiente, vai ao trabalho de bicicleta, recicla o lixo de casa, não joga óleo na pia e guarda o papel de bala no bolso quando está na rua. Mas será que é só isso que você pode fazer?

No decorrer da história humana, surgiram vários rituais para nos despedirmos de quem morreu. Mas nem todos os rituais são ecologicamente corretos e acabam impactando o meio ambiente de maneira irreversível. Para não correr o risco de deixar um legado ruim, dê uma olhada nessa lista que apresenta sete alternativas sustentáveis para o enterro tradicional.


SAIBA MAIS:
Cemitérios superlotados: transformar indivíduos em árvores pode ser a solução!

1 - Bios Urn

Trata-se de uma urna biodegradável que permite transformar as cinzas resultantes das cremações em árvores. Após depositar a cinza, a urna é enterrada e dela brotará uma árvore. Segundo o site do projeto, a urna é feita com casca de coco, celulose e turfa, materiais 100% biodegradáveis. A urna já está disponível para o público e conta com versões para os pets também. A unidade sai por $145 dólares e o comprador pode escolher entre seis tipos diferentes de árvores.


(Foto: Divulgação)

2 - Recifes Eternos (Eternal Reefs)

Eternal Reefs é um recife feito de concreto fundido ambientalmente seguro que é usado para criar novos habitats marinhos para peixes e outras formas de vida marinha. Ele mistura os restos cremados de um indivíduo em uma mistura de cimento ecológico para criar formações de recifes artificiais.

Os Eternal Reefs são então colocados na parte do oceano escolhida pelo indivíduo ou membro da família, que participam da criação do recife personalizando o memorial. Já existem mais de 1.800 Eternal Reefs distribuídos nas costas da Flórida, Carolina do Sul, Carolina do Norte, Maryland, New Jersey, Texas e Virgínia.


(Foto: Divulgação)

3 - Roupa de fungos (The Infinity Burial Suit)

Para um look sustentável no funeral, a empresa norte-americana Coeio desenvolveu uma roupa revestida de fungos especiais que limpam as toxinas do corpo através dos esporos de cogumelos presentes na roupa, além de ajudarem na decomposição humana. A roupa já está disponível no site da empresa em versões a partir de $750 dólares. O produto deverá estar disponível em uma versão para animais de estimação já nos próximos meses.

(Foto: James Duncan Davidson/Divulgação)

4 - Biourna

Ela é versão brasileira da urna ecológica e funciona como vaso para a árvore de sua escolha. O seu diferencial é que a Bioruna já vem com a muda de árvore crescida e não sementes. As cinzas são colocadas na parte inferior do vaso, que se encaixa na parte de cima, onde fica a muda. É necessário regar a muda periodicamente. A Biourna sai por R$540,00 com a taxa de entrega. É possível escolher entre seis árvores diferentes típicas do Brasil, como a Pitangueira e o Ipê Roxo.

(Foto: Divulgação)

5 - Cemitérios Verticais

Como alternativa para a falta de espaço nas grandes metrópoles, surgiu os cemitérios verticais. Eles minimizam os impactos no solo e na água, já que não há contato com o a terra. Estes locais são parecidos com prédios e armazenam urnas funerárias que não precisam ser enterradas. Os gases e líquidos gerados no processo de decomposição seguem por tubos especiais acoplados nas urnas, chamadas de lóculos. O primeiro cemitério vertical da América Latina é o Cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre. É possível encontrar cemitérios verticais em cidades como São Paulo, Santos, Fortaleza, Brasília e Curitiba.


Cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre/RS (Foto: Cemitério Vertical/Reprodução)

6 - Caixão reciclável

São derrubadas milhares de árvores todos os anos para a construção de caixões tradicionais. A solução encontrada pela empresa Creative Coffins é usar papelão no lugar da madeira. O resultado é um enterro mais verde, já que o caixão é feito com 98% de papelão e papel, dos quais 70% são reciclados. Além de ecológico, a empresa investe em estampas divertidas que são impressas no papelão. É possível escolher entre temas florais, esportivos e até mesmo séries de tevê. Por enquanto, os caixões de papelão da Creative Coffins só estão disponíveis no Reino Unido através do site da empresa.


(Foto: Divulgação)

7 - Enterro líquido

Já que na cremação a emissão de carbono é alta, uma alternativa considerada mais ecológica tem ganhado espaço. A ressomação consome 1/6 da energia comparando com a cremação e em vez de queimar, o corpo é liquefeito em um processo parecido com a decomposição natural, mas feita de forma rápida. Depois de três horas, o seu corpo se torna um líquido com aminoácidos, peptídeos e fosfato de cálcio que, após filtrado, pode ser devolvido como água pura para o solo.

(Infográfico: Revista Galileu)


Comente com o Facebook: