Por que o consumo sustentável é necessário?

Há atitudes simples que podem ajudar a minimizar o impacto ambiental causado diariamente


Com o desenvolvimento da tecnologia, as compras constantes e o gasto de energia elétrica excessivamente podem ser bem atraentes. Contudo, é preciso lembrar a importância de frear estes hábitos, que possuem consequências para o meio-ambiente, e é aí que entra o consumo sustentável.

Este termo se refere ao conjunto de práticas para tornar as ações humanas menos nocivas ao ambiente, para que seja possível reduzir os danos que pequenas ações cotidianas causam. Como fazer isso?

Imagem: Banco de imagens Istock

O que fazer com o óleo de cozinha?

É importante lembrar como o descarte do óleo usado no ralo da pia deve ser evitado a todo custo. Quando despejado no ralo, o óleo pode causar obstruções no cano e até mesmo engordurar as caixas de residências e estabelecimentos comerciais - isso apenas sobre os impactos físicos. Além disso, um litro de óleo tem capacidade de contaminar até 20 mil litros de água. Se for mal descartado e chegar a escorrer do lixo, o óleo pode se infiltrar no solo e contaminar os lençóis freáticos.

Há diversos locais disponíveis nas cidades para a coleta do óleo de cozinha. Outra opção é utilizá-lo para a fabricação de sabões em pedra, detergentes e outros utensílios que provavelmente serão bem vindos.

Reciclar o lixo material

É inegável que as atividades mais simples, como as de cozinha, deixam embalagens e outros materiais que poderiam ter um destino que fosse além do descarte. Metais, papéis, vidros e até mesmo embalagens de salgadinhos podem ser reciclados. Apesar da possibilidade, é preciso atenção para aspectos como gordura e tipos específicos de material, para garantir que a reciclagem pode ser feita.

Imagem: Banco de imagens Istock

 A reciclagem de papel, por exemplo, evita o desmatamento e diminui a liberação de gás carbônico para a atmosfera. O plástico tem um prazo pouco otimista: pode demorar de 100 a 400 anos para se decompor na natureza, mas é possível economizar 1 tonelada de petróleo a cada 100 toneladas de plástico reciclado.

 Pequenas atitudes podem fazer uma grande diferença no consumo mensal de energia. Apagar a luz quando sair de algum cômodo é uma delas. Juntar grande quantidade de roupas para utilizar a máquina de lavar apenas uma só vez também é uma alternativa. Com os eletrônicos, o stand-by parece uma opção amiga, mas não é. Este modo pode consumir até 12% de energia sem necessidade.

Substituir as sacolas plásticas pelas reutilizáveis

 Para a produção das sacolas plásticas que são utilizadas em mercado, farmácias e outros estabelecimentos, é preciso um gasto altíssimo de energia, petróleo e água, que resultam na emissão de gases poluentes. O plástico oxi-biodegradável já existe no Brasil, mas não é a melhor opção. Uma de suas propriedades é se dividir em pequenos pedaços que não desaparecem totalmente. Em São Paulo, as sacolas não são mais oferecidas gratuitamente.

Uma alternativa muito utilizada pelos consumidores são as sacolas reutilizáveis, feitas de tecido ou lona, materiais resistentes e que não demandam a compra de várias sacolas em cada ida ao mercado.

Descartar pilhas e baterias em locais apropriados

 Quando descartadas em lugares incorretos, as pilhas e baterias podem liberar substâncias que contaminam o solo e os lençóis freáticos, inutilizando milhares de litros de água potável. Trata-se de um processo caro, mas necessário, uma vez que estes objetos são feitos de substâncias tóxicas como chumbo, cádmio e mercúrio.

As cidades dispõem de locais apropriados para a coleta das pilhas e baterias. Assim, estes componentes são enviados de volta aos fabricantes, para que tomem as medidas necessárias para que seja possível reutilizá-las.


Comente com o Facebook: