A Engenharia Ambiental e as inovações na construção ecológica

A construção ecológica como inovação da Engenharia Ambiental


Construção Ecológica
(Foto: thamyuanyuan) 

A engenharia ambiental é um ramo importante para a busca de um planeta mais sustentável e ecológico. O engenheiro ambiental atua nas áreas de abastecimento e tratamento de água residual, gestão de resíduos, saúde ambiental e além disso, é responsável por fazer avaliações ambientais e gestão ambiental.
               
O Impacto conversou com o 
estudante de Engenharia Ambiental da USP de Lorena, Lucas Faria para entender um pouco mais sobre essa profissão tão importante. 

Impacto: O que é desenvolvimento sustentável?
Lucas: Desenvolvimento sustentável nada mais é do que a consciência que as gerações futuras vão necessitar das coisas que nós necessitamos hoje, então todo esse papo de recursos naturais, de gestão hídrica e climatologia. A gente tem que parar um pouco e pensar que tudo que a gente está fazendo hoje pode impactar no futuro, então a engenharia ambiental cai bastante em cima desse conceito de desenvolvimento sustentável.


Meio Ambiente
(Foto: ejaugsburg)

Impacto:
O que a Engenharia Ambiental faz pelo meio ambiente?

Lucas: O conceito de Engenharia Ambiental está mais embasado em solucionar e resolver a maioria dos problemas e amenizar os impactos ambientais que o próprio homem causa, devido seu progresso. A gente trabalha com quatro pilares essenciais, porque sem eles a gente não consegue ter um equilíbrio e uma dinâmica boa. Entre eles, está a dimensão ecológica, a social, a econômica e a sociológica. Todas precisam ser atendidas para que haja esse equilíbrio. A partir desses quatro pilares essenciais, o objetivo principal da Engenharia Ambiental é o desenvolvimento sustentável.

Construção Ecológica
(Foto: Achim)

Impacto:
O que o engenheiro ambiental faz?

Lucas: O engenheiro ambiental precisa ter o conhecimento de todo o processo natural, toda questão antrópica que impacta o meio ambiente. Precisa elaborar planos ou projetos para preservar determinada área, é necessário fazer um licenciamento de pequenas áreas degradadas ou não e um plano para instaurar um projeto de saneamento de um município, de toda uma cidade. Essas são áreas em que você pode encontrar bastante o engenheiro ambiental. O mais bacana de tudo isso é que você está aplicando uma tecnologia já existente em prol da sociedade e que também tem o viés ecológico. Então você precisa promover o progresso, o desenvolvimento, só que você também precisa estar em harmonia com o meio ambiente.


Meio Ambiente
(Foto: Boboshow)

Além disso, a engenharia ambiental em conjunto com a engenharia civil, engenharia de materiais e outras áreas do conhecimento, pode contribuir para o desenvolvimento de materiais que causam menos impacto no ambiente e que são utilizados em construções ecológicas.


Segundo Lucas, quem desenvolve esses materiais ecológicos são pessoas que entram no ramo de pesquisa, seguindo mestrado e doutorado ou fazendo iniciação científica.
Algumas inovações desse gênero são:

Tijolo ecológico

Se trata de um tijolo feito a partir de uma mistura de barro e cimento. Por não precisar ir ao forno, causa menos impacto no meio ambiente que o tijolo convencional, que é queimado e libera CO².
Essa técnica atual foi aprimorada desde o Egito Antigo, quando era usada na construção de algumas pirâmides e utilizava elementos naturais para fazer tijolos como o óleo de baleia e conchas trituradas.



Construção Ecológica
(Foto: rene coria gonzalez)

O tijolo ecológico como conhecemos hoje é usado desde o começo do século XX nos EUA. Há pesquisas do seu uso a partir de 1935, feitas junto ao PCA (Portland Cement Association). No Brasil, os estudos começaram a partir de 1960, e foram feitos principalmente pelas instituições IPT- Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo e a ABCT- Associação Brasileira de Cimento de Portland.
O responsável pelo aprimoramento dessa técnica no Brasil foi o Professor de Engenharia Francisco Casanova, contando com o apoio do CNPq, Faperj e Finep.

Concreto ecológico

O concreto ecológico utiliza restos de construção, assim como bagaço de cana, casca de arroz, objetos de cerâmica, entre outros materiais recicláveis. Tais materiais substituem até 40% do cimento na fabricação do concreto.

Construção Ecológica
(Foto: rkit)

Quanto menor a quantidade de cimento, menos CO² no planeta, já que os fabricantes deste são responsáveis por 7% das emissões desse gás na atmosfera.  

Telhado verde

Com origem desde a Babilônia, o telhado verde é baseado na técnica de plantio de plantas nas coberturas de residências.

O telhado verde se inclui na arquitetura sustentável, mas podemos dizer que é uma inovação que faz muita diferença quando se trata de construção ecológica.

Construção Ecológica
(Foto: phototouring)

Entre suas vantagens, podemos citar a diminuição da poluição e, conseqüentemente, a melhoria da qualidade do ar. Ademais, o telhado verde auxilia no combate do efeito das Ilhas de Calor, na maior retenção de água das chuvas e a possibilidade de reduzir o consumo de energia por resfriar o ambiente, evitando o uso de ar-condicionados. Não obstante, painéis voltaicos, torneiras temporizadas, e lâmpadas fluorescentes são itens do nosso cotidiano que ao mesmo tempo também são ecológicos.


Para se pensar melhor em que tipo de material ecológico devemos utilizar, temos que levar em conta qual o benefício da aplicação dele em uma estrutura, verificando os resíduos que gera, se é possível a reutilização e o que foi necessário para produzir o produto. A engenharia ambiental está presente em tudo isso. 


Edição: Mariane Borges


Comente com o Facebook: