O lixo está no chão e de quem é a culpa?

A questão da falta de lixeira nas vias públicas de Bauru 

A falta de lixeiras e o descarte irregular do lixo são problemas que afetam a cidade de Bauru / Foto: Rafael de Almeida

O aumento populacional de Bauru aliado ao consumismo e a uma falta de responsabilidade socioambiental geram vários problemas ambientais na cidade. Contudo, a responsabilidade não recai apenas no ombro da população, uma vez que esses problemas são agravados pela escassez de lixeiras nas vias públicas, principalmente nas grandes avenidas, colocando, assim, a responsabilidade também na prefeitura e nos órgãos públicos.
As pessoas se veem obrigadas a deixarem seus lixos no chão devido à falta de lixeiras / Foto: Rafael de Almeida 
Um dos fortes problemas ambientais em Bauru é o descarte irresponsável de lixo, que tem uma carga cultural já enraizada em parte das pessoas, visto que muitas não esperam uma lixeira e acabam descartando seu lixo pelo caminho, contribuindo com a poluição das vias, proliferação de pragas urbanas e com as inundações, fenômeno conhecido pelos bauruenses.
O descarte irresponsável de lixo entope bueiros, acarretando em inundações / Foto: Rafael de Almeida  
Uma das formas de se contornar este problema é colocando mais lixeiras pelas áreas mais frequentadas da cidade e fazer a manutenção das que já existem.
De acordo com Sidnei Rodrigues, secretário municipal de meio ambiente, existem fatores que comprometem a instalação de novas lixeiras e manutenção das já colocadas. “O vandalismos, falta de pessoal para coletar o lixo e poluição visual são fatores que pesam para lotar os logradouros de lixeiras”, afirma o secretário.
O lixo espalhado é também um problema estético, prejudicando a beleza da cidade / Foto: Rafael de Almeida


Não obstante, temos o problema estético que o lixo indiscriminadamente espalhado causa na vida dos moradores e comerciantes. Marcos de Lima, proprietário de uma banca na praça do Líbano há 4 anos, afirma que:
no começo era mais ou menos ajeitada a praça, mas de uns tempos pra cá está tudo abandonado. Erro também da prefeitura por ter entregue a praça  para uma empresa cuidar, o que não está sendo feito.
Em entrevista à 96FM, o vereador pelo PP Markinho Souza, autor do projeto que prevê o aumento da multa para quem for flagrado jogando lixo em vias públicas, ressalta que, além de ser um problema de saúde pública - menciona a quantidade de escorpiões que estão sendo encontrados na cidade -, este descarte é um problema cultural. “A gente tem esperança de educar os mais novos, fazendo campanha nas escolas. Mas os adultos, infelizmente, só vão parar de cometer esse crime ambiental quando doer o seu bolso”, afirma o vereador.

Lixo jogado nas ruas é um problema ambiental e de saúde pública / Foto: Rafael de Almeida
Por essa soma de fatores, fica evidente que  o papel do cidadão não se resume apenas em não jogar lixo nas vias públicas, mas também  em pressionar seus representantes, seja no legislativo (vereadores) ou no executivo (prefeito e seus secretários). Dessa maneira, contribuem para que seus governantes atuem de forma mais ecológica e que não se omitam quanto a saúde pública e a beleza da cidade.
Editora: Beatriz Bethlem


Comente com o Facebook: